LEER

Imagem7

A cultura brasileira tem uma dívida com László Zinner, escultor e desenhista cujo legado contribuiu para a valorização das artes plásticas enquanto promotora do diálogo entre os povos. Para compreendermos sua trajetória e obra devemos retroceder às suas origens desde a Hungria até Brasil, país que escolheu como sua segunda patria. László Zinner nasceu em Dömös (Hungria), em 28 de setembro de 1908, filho de pai católico e mãe judia, liberais. Seu pai Antal [Antonio] Zinner era engenheiro de minas, e sua mãe Rozsi [Rozália] Kohn Zinner, uma virtuosa do piano. Alem de George, seu irmão gêmeo, László teve mais dois irmãos: Pál (Paulo) e a pequena Clara que faleceu aos 7 anos de pneumonia. László, por sua vez, marcou sua passagem como artista pelos inúmeros países onde viveu: Hungria, Bélgica, França, Espanha, Marrocos, Portugal e Brasil. Alem dos anos dedicados a sua formação como escultor, modelador e desenhista, devemos considerar sua passagem diaspórica pela Europa abalada pela proliferação do antissemitismo e pelo avanço do nazifascismo nas décadas de 1930 e 1940.
As esculturas e desenhos de László Zinner são hoje importantes testemunhos desta sua travessia que, além de geográfica, foi também cultural e psicológica. Suas obras, espalhadas por vários países (Hungria, Espanha, Portugal, França, Bélgica, Marrocos, Estados Unidos e Brasil), o posicionam como um artista transnacional e um cidadão do mundo. Por sua sensiblidade e criatividade, tem o aqui o nosso reconhecimento sendo merecedor de um lugar especial no podium das culturas brasileira e paulistana. Ao valorizar a tradição da arte de esculpir ilusões, o artísta extrapolou sua condição de cidadão comum para exercer o papel de agente social, modelador de identidades e de vaidades. Seus inúmeros ateliês instalados em diferentes espaços expressam a sua universalidade, inspirando o título desta exposição: Ateliê Universalista.

 

faceflickryoutube

Copyright © 2013 - LEER - FFLCH/USP.

Desenvolvido por webprisma